Incêndios Florestais 2021 – o que esperar

Por: Emanuel Oliveira Com a chegada do verão meteorológico (1 de junho, pois o verão astronómico inicia a 21 de junho) começam as preocupaçõ...

Por: Emanuel Oliveira


Com a chegada do verão meteorológico (1 de junho, pois o verão astronómico inicia a 21 de junho) começam as preocupações relacionadas com os incêndios florestais. Parece existir no país uma época em que se fala de incêndios e de floresta e outra época em que se esquece os incêndios e a floresta. Na realidade, o ideal seria recordar a cada dia a floresta, pois certamente os incêndios não teriam um impacto tão negativo. No entanto, parece que apenas se fala da floresta quando esta arde.

Centremo-nos, pois, no tema deste post para procurar entender o que podemos esperar em relação aos incêndios florestais neste período que se avizinha. Primeiro, antes de tudo, é necessário entender que uma época de incêndios não é determinada apenas pela resposta à emergência, isto é, exclusivamente assegurada pelos meios e recursos disponíveis para o combate e extinção dos incêndios. Não é pelo país ter mais meios aéreos ou mais recursos humanos afetos ao combate que se evitam os grandes incêndios florestais (GIF).

Existem vários fatores determinantes para o "sucesso" da época, em particular a evolução climática e a meteorologia que por um lado condicionam o estado dos combustíveis e por outro, determinam o comportamento e a propagação do fogo em caso de ocorrência. Do mesmo modo, um fator de peso, prende-se com o uso do fogo e de comportamentos de risco por parte da população, assim como o número e a simultaneidade de ocorrências que podem ditar o colapso do dispositivo.  Sem menosprezar os demais fatores, a evolução climática, as condições meteorológicas e a evolução do estado dos combustíveis devem ser alvo de análise contínua, com o fim de apoiar a tomada de decisão na prevenção e na distribuição dos recursos e meios do dispositivo nacional.

Fig. 1 - Evolução da precipitação anual entre 1 de janeiro a 31 de dezembro, no período de 2001 a 2020.

Analisando a precipitação (CHIRPS Pentad) em relação à média de 2001 a 2020 podemos observar que os anos com maiores desvios negativos de precipitação foram 2004, 2005, 2015 e 2017. Sendo também estes anos aqueles que registam o maior número de incêndios e de área ardida.

Importa recordar que a quantidade de precipitação e o número de dias de chuva antecedendo o verão, afetam a extensão e severidade dos incêndios nesta época mais vulnerável (Holden et al., 2018, 2012). No territórios com clima húmido e temperado, os incêndios são condicionados por um período antecedente de anomalias negativas, de menor precipitação e de redução considerável da humidade do solo. 

Em relação ao ano em curso e considerando os registos da precipitação da Figura 2 observa-se que o mês de fevereiro registou valores superiores ao valor normal, enquanto que os meses de janeiro e março apresentaram valores abaixo do normal. 


Figura 2 - Anomalias da quantidade de precipitação, nos meses de janeiro, fevereiro e março, em Portugal continental, em relação aos valores médios no período 1971-2000. Fonte: Boletim Climatológico IPMA 2021

Já o mês de abril, segundo o Boletim Meteorológico de Abril, publicado pelo IPMA, “foi muito próximo do valor normal 1971- 2000 com um desvio de +3.6 mm”.

Figura 3 - Anomalias da quantidade de precipitação, no mês de abril, em Portugal continental, em relação aos valores médios no período 1971-2000. Fonte: Boletim Climatológico Abril 2021. IPMA

Igualmente, segundo o IPMA, o mês de abril apresentou cerca de 11,9% do território em seca fraca (distrito de Faro) e 7,6% em seca moderada (distritos de Setúbal, Beja e Évora).

A última publicação do Centro Europeu de Previsões Meteorológicas de Médio Prazo (ECMWF) para o dia 17 de junho (Figura 4), indica uma redução da humidade no solo, porém ainda sem grande impacto na vegetação. Também os registos dos últimos dias (Figura 5) referentes à humidade no solo a 10 cm e à humidade do solo na zona das raízes, encontram-se em linha de tendência para a época, ou seja, a perder humidade.

Figura 4 - Humidade no solo prevista para 17 de junho de 2021. Fonte: ECMWF

Figura 5 - Evolução da humidade no solo a 10 cm e da humidade do solo na zona das raízes entre o dia 1 de janeiro a  7 de maio de 2021. (GLDAS)

Estas condições que antecedem o período estival e aquelas que se farão sentir nas próximas semanas são determinantes na evolução fenológica da vegetação, podendo incrementar ou reduzir a disponibilidade dos combustíveis em relação ao fogo.

À data de hoje, observando o estado de saúde dos combustíveis estimado pelo VHI (Vegetation Health Index) verifica-se que o distrito de Évora apresenta valores mais baixos em relação às condições normais para a época (semana 22), seguidos dos distritos de Aveiro, Lisboa, Setúbal, Beja e Faro. Contudo, muito longe dos valores médios distritais registados em 2017. Os demais distritos apresentam-se dentro de valores normais. 
Figura 6 - Evolução do índice vegetativo VHI para a semana 22 no período de 2017 a 2021. Fonte: NOAA

As previsões estacionais do International Research Intitute for Climate and Society  (The Earth Institute, da Columbia University) apontam para uma maior probabilidade de precipitação abaixo do normal durante junho-agosto, em particular nas regiões do Centro e Norte do país e acentuando-se a anomalia negativa durante agosto-outubro. Quanto às temperaturas, poderão estar acima do normal entre junho-agosto e sendo provável que se aproximem de valores normais no período de agosto-outubro. 
Figura 7 - Modelo probabilístico de precipitação para os períodos de junho-julho-agosto e agosto-setembro-outubro de 2021. Fonte: IR - Columbia University

Figura 7 - Modelo probabilístico da temperatura para o período de junho-julho-agosto de 2021. Fonte: IR - Columbia University

Estas probabilidades estacionais desenhadas pelos modelos não significam que não se registem precipitações e que teremos ondas de calor. O mais provável é que exista uma tendência para o agravamento das condições típicas do padrão sinóptico da época, ou seja temperaturas mais elevadas que as normais e tempo mais seco, com episódios extremos. Atendendo à dinâmica atmosférica e considerando as previsões referentes ao Jet Stream para as próximas semanas, também não será de estranhar episódios de precipitação associados a trovoadas, devido à entrada de ar frio nas camadas altas da atmosfera enquanto a superfície terreste aquece. Sendo assim, esperam-se precipitações associadas a trovoadas nas regiões do interior Norte e Centro, as quais poderão ser de caráter pontual e por vezes de intensidade considerável. No entanto, destaca-se que estas não serão generalizadas. 

Quanto às temperaturas poderão registar-se anormalmente mais elevadas nestas regiões, ainda que na região Sul fiquem por valores médios máximos. Segundo a Meteored, o calor durante as próximos meses poderá ser sufocante, podendo ocorrer a entrada de ar tropical continental procedente de África, somando-se ao calor próprio produzido pela Península Ibérica pelo que poderiam produzir ondas de calor intensas com uma duração algo mais extensa que o normal. Estas condições permitirão preparar os combustíveis, cujo impacto será maior quanto maior a severidade meteorológica.

Dadas as condições climatéricas passadas, presentes e as prováveis, as situações de maior risco e de maior complexidade em caso de incêndios poderão incidir nos distritos de Faro, Santarém, Castelo Branco, Guarda e Vila Real. Obviamente que a ocorrência de incêndios dependerá do comportamento da população em relação ao uso de fontes de ignição e da evolução da situação meteorológica. 

COMMENTS

Blogger TemplatesMy Blogger TricksAll Blogger Tricks
Nome

Alterações Climáticas,4,Alto Minho,9,Crónicas,3,Destaques,5,Fogo Prescrito,7,Formação,2,Gestão Florestal,2,Incêndios Florestais,40,Meteorologia,11,Opinião,3,Prevenção,10,Técnica,9,Tecnologia,8,Uso do Fogo,3,
ltr
item
Fogos Florestais: Incêndios Florestais 2021 – o que esperar
Incêndios Florestais 2021 – o que esperar
https://1.bp.blogspot.com/-pLqvAW8H9V4/YL5stkyY5OI/AAAAAAAACBM/TDBb7eKTkYcdFnvNGxfSSr3_gVtrmaoHACLcBGAsYHQ/w400-h208/precipitacao%2B2001-2020.jpg
https://1.bp.blogspot.com/-pLqvAW8H9V4/YL5stkyY5OI/AAAAAAAACBM/TDBb7eKTkYcdFnvNGxfSSr3_gVtrmaoHACLcBGAsYHQ/s72-w400-c-h208/precipitacao%2B2001-2020.jpg
Fogos Florestais
http://www.fogosflorestais.pt/2021/06/incendios-florestais-2021-o-que-esperar.html
http://www.fogosflorestais.pt/
http://www.fogosflorestais.pt/
http://www.fogosflorestais.pt/2021/06/incendios-florestais-2021-o-que-esperar.html
true
6556109416670895325
UTF-8
Loaded All Posts Not found any posts VIEW ALL Readmore Reply Cancel reply Delete By Home PAGES POSTS View All RECOMMENDED FOR YOU LABEL ARCHIVE SEARCH ALL POSTS Not found any post match with your request Back Home Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Follow THIS PREMIUM CONTENT IS LOCKED STEP 1: Share to a social network STEP 2: Click the link on your social network Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy Table of Content