Crónicas do Fogo em Terra de Vera Cruz. Chegados a Imperatriz do Maranhão

Eram as 03:00 horas da madrugada do dia 22 de maio quando me levantei da cama para deixar a comodidade da minha casa, situada num lugarzinho...

Eram as 03:00 horas da madrugada do dia 22 de maio quando me levantei da cama para deixar a comodidade da minha casa, situada num lugarzinho de cerca de 9 habitantes, numa aldeia com pouco mais de 250, incrustada no verdejante vale do Coura e rodeada por floresta de pinheiro-bravo e carvalheiras, em pleno coração do Alto Minho; a mesma região do Caramuru ‒ Diogo Álvares Correia (1475?-1557), náufrago português que passou a vida entre os indígenas da costa do Brasil e foi fundador da Bahia. Deixar a casa, a esposa e os filhos, deixar pais e irmãos, é sempre uma situação difícil, para mais quando se parte sem saber o que vamos encontrar a mais de 10 mil quilómetros de distância. É uma mistura entre o querer partir à descoberta e a preocupação com os que ficam! Restava-me o nó na garganta e a pedra no estômago.
Gravura 1 - Hermenegildo Capello e Roberto Ivens.
Fonte: https://tertuliabibliofila.blogspot.com
Os dias que antecederam a partida foram de grande correria, entre encerrar trabalhos, elaborar as apresentações e preparar a viagem e o equipamento necessário para as jornadas que me esperavam, e dominar uma galopante ansiedade. Durante estes dias, vinha-me à memória um livro que li e reli em criança: “De Angola à Contra-Costa: Descripção de uma Viagem Atravez do Continente Africano” que descreve a travessia do continente africano, entre as costas de Angola e de Moçambique, realizada entre 1884 e 1885 pelos exploradores portugueses Hermenegildo Capello e Roberto Ivens, bem como relata o modo como eles descreviam as suas aventuras e angústias.

Por volta das 03:55 horas, no Centro de Transportes de Valença, deixo um beijo à minha mulher e entro no autocarro galego, com um aperto no coração, para seguir para o aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, onde me encontrarei com o amigo e coordenador deste trabalho de investigação, Fillipe Tamiozzo. Fillipe está a desenvolver uma investigação no âmbito do pós-doutoramento, na Universidade de Coimbra, pelo que saímos juntos de Portugal para atravessarmos o charco.
Com uma breve paragem em Lisboa, para trocarmos de avião, atravessámos o Atlântico, numa viagem de cerca de 09:30 horas de duração, com escala em São Paulo, para mudarmos de avião e seguirmos em voo interno até São Luís do Maranhão; a hora de chegada foi por volta da uma da madrugada. Aí pernoitámos, num hotel próximo do aeroporto. No dia seguinte, por volta das 08:00 horas da manhã, regressámos ao Aeroporto Internacional de São Luís - Marechal Hugo da Cunha Machado, para seguirmos para Imperatriz, no interior do Estado do Maranhão. No também conhecido como Aeroporto do Tirirical, pudemos degustar um café expresso com o sabor e intensidade que em Portugal tanto apreciamos e do qual já tínhamos saudade; a partir de então, corremos sempre os vários aeroportos, à procura de tão estimulante poção.
Foto 1 - Um café expresso tão “nosso”, forte e intenso.
Pouco antes de aterrarmos, avistava-se por entre as nuvens e sobre um vasto manto verde, o extenso e serpenteante rio Tocantins. Ao sair do avião, senti que tinha chegado ao interior do Maranhão, pela baforada de ar quente e húmido típico desta região. Nos poucos metros entre o aeroporto e a “Localiza” (assim se denomina no Brasil o serviço de aluguer de carros) onde reservámos a viatura todo-terreno que nos permitiria deslocar-nos nas picadas da savana brasileira, deu para perceber o efeito das temperaturas e da humidade relativa tão elevadas. Em poucos minutos, fiquei encharcado de suor e só estava bem debaixo do ar condicionado do escritório do serviço de rent-a-car.
Foto 2 - Rio Tocantins, separando o Estado do Maranhão do Estado de Tocantins
Dali saímos para a cidade de Imperatriz, cheios de ilusões, de ideias, de dúvidas e um oceano de questões, próprias de quem inicia um trabalho de investigação num território para ambos desconhecido. No caótico trânsito e no emaranhado de ruas que se confundiam, navegámos com a ajuda do GPS, indo ao encontro do colega José Augusto, da Universidade Federal do Maranhão, um jovem maranhense biólogo, conhecedor das plantas do Cerrado.
Chegados a um simples hotel no centro do reboliço da segunda maior cidade do Maranhão,com cerca de 258 mil habitantes, esperava-nos o amigo Coronel Paulo Barroso, do Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso, cuja função nesta missão foi de integração do CBM de Imperatriz e no apoio à organização operacional das ações de segurança e queima.
Foto 3 - Rua do Hotel, na cidade de Imperatriz, Maranhão
Uma vez acomodados, saímos de imediato para almoçar e colocar em ordem a preparação dos dias que se seguiriam. Ainda era preciso adquirir algum material para identificação das plantas nas parcelas alvo de estudo, bem como levantar dinheiro, pois a próxima cidade não teria caixas multibanco compatíveis com os nossos bancos. A rua do hotel era confusamente movimentada, sem sarjetas, os efluentes drenavam no quente asfalto para evaporarem e exalarem todo o tipo de cheiros. Na variedade de espaços comerciais, entre açougues (talhos) com carne de sol à porta, casas de moda, de venda de celulares (telemóveis), destacavam-se inúmeras farmácias e, numa pequena praça ao final da rua, acomodavam-se os vendedores ambulantes que vendiam de tudo um pouco.
Foto 4 - Carne de sol a secar na Rua do Hotel
O dia fez-se muito curto para quem partira na madrugada do dia anterior, atravessando o Atlântico e parte do território brasileiro, para quem já de antemão sabia que os dias seguintes prometiam um esforço muito maior. Era o momento de aproveitar a noite para descansar, reduzir a temperatura do ar condicionado para 16 ºC e pulverizar-me com o mais forte repelente, de forma a evitar as tormentosas picadelas de mosquitos e melgas (muriçocas ou pernilongos, no Brasil).

COMMENTS

Blogger TemplatesMy Blogger TricksAll Blogger Tricks
Nome

Alterações Climáticas,4,Alto Minho,9,Crónicas,3,Destaques,5,Fogo Prescrito,7,Formação,2,Gestão Florestal,2,Incêndios Florestais,40,Meteorologia,11,Opinião,3,Prevenção,10,Técnica,9,Tecnologia,8,Uso do Fogo,3,
ltr
item
Fogos Florestais: Crónicas do Fogo em Terra de Vera Cruz. Chegados a Imperatriz do Maranhão
Crónicas do Fogo em Terra de Vera Cruz. Chegados a Imperatriz do Maranhão
https://1.bp.blogspot.com/-SgelzYcZPjU/XQ6jGezGQaI/AAAAAAAABzo/NDa3qNwANGYZ33z0rqZ4hhlW0T4Cpnn8ACLcBGAs/s400/Capello_Ivens.jpg
https://1.bp.blogspot.com/-SgelzYcZPjU/XQ6jGezGQaI/AAAAAAAABzo/NDa3qNwANGYZ33z0rqZ4hhlW0T4Cpnn8ACLcBGAs/s72-c/Capello_Ivens.jpg
Fogos Florestais
http://www.fogosflorestais.pt/2019/06/cronicas-do-fogo-em-terra-de-vera-cruz_22.html
http://www.fogosflorestais.pt/
http://www.fogosflorestais.pt/
http://www.fogosflorestais.pt/2019/06/cronicas-do-fogo-em-terra-de-vera-cruz_22.html
true
6556109416670895325
UTF-8
Loaded All Posts Not found any posts VIEW ALL Readmore Reply Cancel reply Delete By Home PAGES POSTS View All RECOMMENDED FOR YOU LABEL ARCHIVE SEARCH ALL POSTS Not found any post match with your request Back Home Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Follow THIS PREMIUM CONTENT IS LOCKED STEP 1: Share to a social network STEP 2: Click the link on your social network Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy Table of Content