Reflexão sobre a Metodologia da Carta de Perigosidade de Incêndio

Artigo desenvolvido por:  Emanuel Oliveira A elaboração da cartografia de risco espacial de incêndio florestal é atualmente uma ferrame...

Artigo desenvolvido por: 
Emanuel Oliveira

A elaboração da cartografia de risco espacial de incêndio florestal é atualmente uma ferramenta essencial na hora de planificar ações de prevenção de incêndios florestais, cujo objetivo é formalizar a identificação de zonas de perigo e risco a uma escala compatível com o ordenamento do território.

Em Portugal, o mapa de perigosidade para além de constituir um instrumento de apoio à planificação, assume um papel condicionador no âmbito do ordenamento do território, salientando o condicionamento de novas edificações no espaço rural e florestal.
Mapa 1 - Mapa de Perigosidade de Incêndio Florestal (Metodologia:AFN/ICNF)

Sendo assim, a cartografia de risco espacial permite identificar os espaços que reúnem condições favoráveis para a ocorrência de incêndios florestais e identificar as zonas mais vulneráveis.

Conhecendo-se o risco, temos a possibilidade de localizar e executar infraestruturas de prevenção e defesa como acessos, corta-fogos, faixas de gestão de combustível, torres de vigilância, pontos de água, bem como dirigir as ações de sensibilização, vigilância e fiscalização, procurando deste modo aumentar a eficiência de todas as medidas.

Com o fim de ampliar a discussão sobre a metodologia aplicada em Portugal para a elaboração do mapa de perigosidade (o qual tem sido amplamente questionado, principalmente pelos técnicos responsáveis pelo urbanismo e ordenamento do território), vou apresentar aqui algumas reflexões, bem como apresentar uma outra metodologia aplicada no território de Espanha.

Com estas duas produções cartográficas pretende-se compará-las e identificar aquela que se aproxima mais da realidade do território no que respeita ao perigo de incêndio, ou seja a “probabilidade que um fenómeno físico, potencialmente danoso” como o fogo “de origem natural ou induzido pela ação humana, se apresente num local específico, com uma certa intensidade num período e frequência”. (Varnes, 1984)

A metodologia para a elaboração do mapa de perigosidade (modelo adotado em Portugal) resulta do produto da probabilidade e da suscetibilidade. A probabilidade é estimada a partir da cartografia de áreas ardidas e a suscetibilidade a partir do declive e da carta de ocupação de solos (por ex.º Corine Land Cover ou a COS produzida pela Direção Geral do Território).

Como este mapa é uma condicionante no âmbito dos planos municipais de ordenamento, muitas vezes limitando as novas construções, a sua metodologia e aplicabilidade tem estado envolta em angustiantes discussões técnicas e políticas.

O mapa de perigosidade é fundamental e tem sido um instrumento importante, principalmente por permitir identificar zonas de interface urbano-florestal mais vulneráveis. No entanto, o problema reside sobre as bases cartográficas utilizadas e aqui podemos destacar essencialmente o seguinte:
  1. A falta de rigor dos perímetros das áreas ardidas mais antigas, principalmente entre 1990 e 2004, obtidos a partir de observações de satélites e aparecendo os perímetros pixelizados (podendo ultrapassar os 300 metros), o que numa escala de planeamento municipal (1: 10 000), traduz-se em complicações na hora de tomada de decisão técnica e política.
  2. A utilização da carta de ocupação do solo em vez da carta de modelos de combustível, com a agravante das classes de suscetibilidade atribuídas a cada nível de ocupação, por exemplo a atribuição do valor máximo a zonas maioritariamente cobertas por afloramentos rochosos ou a galerias ripícolas, o que incrementa o valor final de perigosidade. 
Analisando a metodologia para a elaboração do mapa de perigosidade concluímos que o principal objetivo é definir um zonamento para limitar o surgimento de novas edificações e a preocupação reside sobretudo nas zonas de interface. Contudo, este foco orientado ao ordenamento e urbanismo conduz a que este zonamento não tenha aplicabilidade real na definição de medidas e ações que visem a prevenção dos incêndios florestais e a redução dos efeitos da propagação do fogo, pois o mapa de perigosidade apenas evita que se construa em locais que no mapa surgem dentro das classes alta e muito alta perigosidade (cujos valores são incrementados pela metodologia aplicada).
Mapa 2 - Mapa de Risco de Ignição de Incêndio Florestal
Se observarmos a metodologia aplicada em Espanha, esta tem em conta os fatores espaciais que são determinantes na ignição e na propagação do fogo. O mapa de risco de ignição tem em consideração a exposição/insolação, os modelos de combustível, a proximidade dos aglomerados urbanos e da rede viária. Quanto ao mapa de risco de propagação, o modelo procura reproduzir como o fogo vai propagar-se tendo em conta as características do ambiente, tais como: o declive, os modelos de combustível e a exposição/insolação.

Cabe ainda salientar que os valores atribuídos aos modelos de combustível são diferentes para cada mapa, pois cada modelo apresenta valores diferentes para a ignição e para a propagação, por exemplo uma zona de pinhal apresenta um valor mais reduzido na ignição (valor 2) mas máximo na propagação (valor 5).
Mapa 3 - Mapa de Risco de Propagação de Incêndio Florestal
A soma de ambos mapas (ignição e propagação) dá origem à carta de risco de incêndio florestal e, assim, identificamos os espaços mais suscetíveis de ocorrência e vulneráveis.
Mapa 4 - Mapa de Risco de Incêndio Florestal (Ignição + Propagação)
Se em ambos mapas finais sobrepusermos as ignições ocorridas entre 2010 e 2013 (obtidas maioritariamente a partir de GPS/SIRESP), podemos constatar que no mapa de perigosidade incidem sobre zonas de muito baixa e baixa perigosidade, mas no mapa de risco incidem sobre zonas de alto e muito alto risco. Este resultado permite-nos perceber que o fator humano refletido nas vias de acesso e nos núcleos urbanos, bem como os modelos de combustível e a topografia são determinantes no risco de incêndio, independentemente da probabilidade baseada na área ardida. Assim, através deste modelo baseado na ignição e propagação, podemos definir ações estruturais mas também ações de sensibilização e de vigilância nas zonas identificadas de maior risco.
Mapa 5 - Localização das Ignições entre 2010-2013 (GPS) sobre o Mapa de Perigosidade
Mapa 6 - Localização das Ignições entre 2010-2013 (GPS) sobre o Mapa de Risco de Incêndio (Ignição + Propagação)
CONCLUSÕES

Na 3ª Geração de Planos Municipais de Defesa da Floresta Contra Incêndios dever-se-á manter o mapa de perigosidade, revendo-se a metodologia e integrando obrigatoriamente a carta de modelos de combustível.

Igualmente, torna-se fundamental considerar a inclusão dos mapas de ignição e de propagação.

Todavia, dever-se-ia ponderar a integração da probabilidade de ocorrências tendo em conta os históricos, mas excluindo todas as ocorrências baseadas em geolocalização toponímica, ou seja apenas incluindo as ignições georreferenciadas mediante recurso GPS, com o fim de evitar erros grosseiros.

COMMENTS

Blogger TemplatesMy Blogger TricksAll Blogger Tricks
Nome

Alterações Climáticas,4,Alto Minho,9,Crónicas,3,Destaques,3,Fogo Prescrito,7,Formação,2,Gestão Florestal,2,Incêndios Florestais,39,Meteorologia,6,Opinião,3,Prevenção,9,Técnica,9,Tecnologia,7,Uso do Fogo,2,
ltr
item
Fogos Florestais: Reflexão sobre a Metodologia da Carta de Perigosidade de Incêndio
Reflexão sobre a Metodologia da Carta de Perigosidade de Incêndio
https://2.bp.blogspot.com/-2ZX5CIMcj30/VtTcw16nDTI/AAAAAAAABK8/w1RRN6NhG-E/s400/mapaperigosidadeweb.jpg
https://2.bp.blogspot.com/-2ZX5CIMcj30/VtTcw16nDTI/AAAAAAAABK8/w1RRN6NhG-E/s72-c/mapaperigosidadeweb.jpg
Fogos Florestais
http://www.fogosflorestais.pt/2016/03/reflexao-sobre-metodologia-da-carta-de.html
http://www.fogosflorestais.pt/
http://www.fogosflorestais.pt/
http://www.fogosflorestais.pt/2016/03/reflexao-sobre-metodologia-da-carta-de.html
true
6556109416670895325
UTF-8
Loaded All Posts Not found any posts VIEW ALL Readmore Reply Cancel reply Delete By Home PAGES POSTS View All RECOMMENDED FOR YOU LABEL ARCHIVE SEARCH ALL POSTS Not found any post match with your request Back Home Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Follow THIS PREMIUM CONTENT IS LOCKED STEP 1: Share to a social network STEP 2: Click the link on your social network Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy Table of Content