Existe uma “incapacidade generalizada de ler o fogo e antecipar a sua evolução”

Paulo Fernandes, professor e investigador do Departamento de Ciências Florestais, em entrevista ao Alto Risco, identifica as principais razõ...

Paulo Fernandes, professor e investigador do Departamento de Ciências Florestais, em entrevista ao Alto Risco, identifica as principais razões para a propagação dos fogos, identifica os erros no combate aos incêndios florestais por parte dos bombeiros e as medidas a tomar para modificar a forma como são combatidos estes incêndios.
A investigação dos incêndios florestais, suas caraterísticas e os efeitos das queimas controladas, são algumas das áreas estudadas pelo Grupo de Fogos Florestais da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), pioneiro a nível internacional na investigação dos incêndios florestais.



Quais as principais dificuldades encontradas pelos bombeiros no combate aos incêndios florestais?

As dificuldades com que os bombeiros deparam no combate a incêndios florestais em Portugal são comparáveis àquelas verificadas noutras regiões. No entanto, temos uma particularidade que nos distingue no contexto Europeu, que é uma combinação invulgar de condições naturais que em tudo favorece a propagação dos fogos. No norte e centro do País conjugam-se orografias complexas, um clima que favorece a produção de biomassa e a sua secagem posterior ,e a prevalência de tipos de vegetação que ardem facilmente e com intensidade. No que respeita ao ordenamento florestal Portugal não se distingue negativamente dos restantes países do sul da Europa. Aliás, Portugal é de longe o país onde o sector florestal mais contribui para a economia, o que implica um patamar mais elevado de intervenção nos espaços florestais.
Àquelas condições acresce o enorme número de ignições, que em termos relativos é 5 vezes superior ao de Espanha, e a sua simultaneidade.
Note-se porém que a esmagadora maioria destas ocorrências ocorre em áreas periurbanas, ou seja onde muito dificilmente se podem transformar em incidentes de vulto. Seja como for, o panorama dos fogos florestais em Portugal justifica intervenções preventivas na vegetação (a gestão de combustíveis), estratégicas e com escala suficiente para afetar a propagação dos grandes incêndios. Por outro lado, este investimento no espaço florestal será perdido caso não haja evolução na forma como são combatidos os incêndios. É muito comum observar áreas convenientemente tratadas sem que os meios de combate tirem partido da sua existência.

O professor Paulo Fernandes declarou recentemente que há descoordenação e desconhecimento do terreno pelos bombeiros. Como explica esta situação?

Esta situação explica-se essencialmente porque a coluna vertebral do sistema de combate a incêndios é constituída por corpos de bombeiros voluntários de âmbito local, face à situação desejável que seria a de corpos de bombeiros profissionais e florestais de âmbito nacional. O despacho de homens e meios de combate com proveniências e competências diversas para teatros de operações complexos e a sua articulação e coordenação são naturalmente difíceis. Recorrendo o combate a incêndios a grupos que se deslocam par a longe das suas zonas de origem o desconhecimento do terreno é inevitável pelo que aumentam as dificuldades logísticas e de coordenação e diminui a efetividade operacional. No entanto, mais importante que o desconhecimento das condições locais é a incapacidade generalizada de “ler” o fogo e antecipar a sua evolução, o que dificulta a identificação das oportunidades de êxito (bem como as de risco) e favorece a ocorrência de acidentes fatais como aqueles que infelizmente marcaram este ano.

Que medidas devem ser adotadas pelos comandos dos bombeiros para alterar a tática de combate aos incêndios florestais?

A análise do comportamento atual do incêndio e a previsão da sua evolução futura devem guiar a forma como se enfrenta o fogo. Primeiro que tudo devem ser definidos os objetivos estratégicos, por exemplo limitar o fogo a uma determinada área, que permitirá definir as linhas de controlo. Só então se definem as táticas, que serão comprometidas caso a estratégia não seja clara e que devem ser coerentes com os objetivos. Um problema muito comum é a execução de táticas isoladas e desgarradas que fatalmente resultam em maior área ardida. Um princípio básico de qualquer tática é atacar o incêndio quando este está em desvantagem, assegurando que o combate se faz em segurança e somente onde o sucesso é garantido. Tal recomenda maior recurso a o ataque indireto, o trabalho mais focado na cauda e nos flancos dos incêndios, e maior uso de equipamento de sapador, máquinas de rasto e fogo de supressão.
A análise de incêndios exige acompanhamento constante e previsão da evolução do fogo, afim de antecipar e identificar janelas de oportunidade. É este o trabalho feito pelos GAUF (Grupos de Análise e Uso do Fogo), constituídos por engenheiros florestais e que intervêm nos grandes incêndios.
Infelizmente, e apesar dos resultados obtidos (especialmente em 2 010), os GAUF não existem como estrutura e as pessoas que os compõem são poucas e contratadas sazonalmente por concurso.

Tem havido alguma polémica sobre o uso do contrafogo no controlo dos incêndios florestais. A forma como está a ser utilizado é a mais indicada?

O fogo tático ou contrafogo pode ser utilizado desde que o comandante responsável pelo incêndio o autorize.
É minha opinião que a utilização atual está demasiadamente liberalizada, já que não é exigida formação específica a quem o executa. Em particular é importante distinguir entre o uso do fogo para queimar vegetação entre uma descontinuidade e a frente do incêndio, e o contrafogo propriamente dito, o qual implica a interação entre as chamas do contrafogo e as do incêndio e como tal conhecimentos mais avançados de comportamento do fogo. Na prática atual é comum que se sacrifiquem áreas arborizadas e que se perda o controlo do contrafogo, havendo até relatos de bombeiros postos em perigo.

O contrafogo é uma arma eficaz para controlar os incêndios florestais?
Existem outros meios de controlo/combate aos incêndios florestais?

O contrafogo, ou mais generalizadamente o fogo de supressão, pode ser muito eficaz no controlo indireto de incêndios, desde que utilizado corretamente.
É limitado pelas condições ambientais, por exemplo a velocidade do vento e a humidade do combustível, pelo que é vulgar que apenas possa ser usado durante a noite. Naturalmente que é apenas uma das opções disponíveis. O que é importante é que as forças de combate estejam devidamente capacitadas par a o uso eficaz dessas opções complementares, sejam a água, a abertura de faixas com ferramentas ou máquinas, ou o fogo de supressão.

O seu departamento está a realizar um estudo sobre gestão dos incêndios florestais. No que consiste este estudo?

A UTAD, através do Departamento de Ciências Florestais e Arquitetura Paisagista e do centro de investigação CITAB faz da parte do consórcio do projeto FIRE-ENGINE, financiado pelo programa MIT Portugal e coordenado pelo INESC Porto, que representa uma abordagem inovadora à gestão dos fogos florestais.
Neste projeto analisamos a evolução do desempenho das políticas de gestão do fogo em Portugal e qual é o contributo relativo dos vários fatores envolvidos (climameteorologia, vegetação, ignições) para a área ardida. Os resultados permitirão recomendações fundamentadas acerca d as opções políticas mais adequadas para Portugal, nomeadamente o investimento relativo em prevenção (e em que tipo de prevenção) e em combate.

Fonte: Revista Alto Risco
Associação Nacional de Bombeiros Profissionais
10 de Setembro de 2013

COMMENTS

Blogger TemplatesMy Blogger TricksAll Blogger Tricks
Nome

Alterações Climáticas,4,Alto Minho,9,Crónicas,3,Destaques,5,Fogo Prescrito,7,Formação,2,Gestão Florestal,2,Incêndios Florestais,40,Meteorologia,11,Opinião,3,Prevenção,10,Técnica,9,Tecnologia,8,Uso do Fogo,3,
ltr
item
Fogos Florestais: Existe uma “incapacidade generalizada de ler o fogo e antecipar a sua evolução”
Existe uma “incapacidade generalizada de ler o fogo e antecipar a sua evolução”
http://2.bp.blogspot.com/-juSaxcgL3M4/UlcQ9d5IjzI/AAAAAAAAANs/zG3rmT_7kV8/s1600/ARTIGO+PFERNANDES_ANBP.bmp
http://2.bp.blogspot.com/-juSaxcgL3M4/UlcQ9d5IjzI/AAAAAAAAANs/zG3rmT_7kV8/s72-c/ARTIGO+PFERNANDES_ANBP.bmp
Fogos Florestais
http://www.fogosflorestais.pt/2013/10/existe-uma-incapacidade-generalizada-de.html
http://www.fogosflorestais.pt/
http://www.fogosflorestais.pt/
http://www.fogosflorestais.pt/2013/10/existe-uma-incapacidade-generalizada-de.html
true
6556109416670895325
UTF-8
Loaded All Posts Not found any posts VIEW ALL Readmore Reply Cancel reply Delete By Home PAGES POSTS View All RECOMMENDED FOR YOU LABEL ARCHIVE SEARCH ALL POSTS Not found any post match with your request Back Home Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Follow THIS PREMIUM CONTENT IS LOCKED STEP 1: Share to a social network STEP 2: Click the link on your social network Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy Table of Content