Os Grandes Incêndios Florestais e a sua recorrência no Alto Minho

Analisando os dados estatísticos é importante entender como evoluíram os Grandes Incêndios Florestais ao longo destes últimos 15 anos no te...


Analisando os dados estatísticos é importante entender como evoluíram os Grandes Incêndios Florestais ao longo destes últimos 15 anos no território do Alto Minho.
Gráfico 1 - Distribuição do Nº de GIFs por Ano e Classes de Extensão, 1975 - 2013. Fonte/Dados: ICNF (Clicar na imagem para visualizar)
Facilmente percebemos que a partir de 1989 surgem com maior representatividade os GIF's com mais de 500 hectares e menos de 1000 hectares de área ardida, sendo recorrentes em intervalos de 5 a 10 anos; em 1998, surgem os primeios GIF's com mais de 1 000  hectares, os quais segundo os dados oficais do ICNF, tornaram-se recorrentes na paisagem alto-minhota, com intervalos de 3 a 5 anos.

Os últimos 15 anos coincidem com um importante e necessário incremento dos meios e recursos como forma de resposta para reverter a sua ocorrência. Porém, o esforço foi em vão, tendo em conta que a redução dos GIF's implica uma intervenção a uma escala do consumo potencial de um GIF (intermunicipal), intervindo nos pontos de multiplicação da propagação, na criação de oportunidades ao combate e essencialmente na redução da elevada carga de combustível, mediante a criação de mosaicos com o fim de promover a heterogeneização da paisagem, em vez de uma aposta em pequenas e isoladas intervenções. O trabalho de prevenção obriga a uma implementação transversal de medidas e ações devidamente estruturadas, dimensionadas e de fácil manutenção, onde a complementariedade deverá ser um objetivo a considerar.

Antes de mais, importa entender que um GIF define-se tecnicamente, quando um incêndio apresenta um comportamento de fogo que ultrapassa a capacidade extinção, normalmente apresentando os seguintes critérios:

  1. Comprimento de chama superior a 3,0 metros;
  2. Velocidade de propagação superior a 1 - 2 km/hora;
  3. Atividade de fogo de copas. (UT GRAF, 2011)

Em Portugal, para além destes parâmetros, considera-se como um GIF um incêndio que ultrapasse uma área queimada igual ou superior a 100 hectares. No entanto, em muitos casos de GIF’s no Alto Minho, estes parâmetros técnicos referentes ao comportamento do fogo não se apresentam no incêndio ainda que a área ardida supere o limite que o classifica como GIF. Isto deve-se, por um lado a que a capacidade de extinção não só depende do comportamento do fogo, mas também do número e tipo de meios e recursos existentes para uma resposta mais eficaz e eficiente para a extinção. 

Igualmente, não nos podemos esquecer que existe um problema grave de simultaneidade de incêndios que esgota qualquer dispositivo de extinção quando se ultrapassa o limite. Esta situação agrava-se quando se produz uma diminuição dos recursos humanos que sustentam um dispositivo de extinção baseado na disponibilidade do sistema de voluntariado.

Por outro lado identifica-se, com base no seguimento dos Grandes Incêndios Florestais no território, comprovando-se pelos seus perímetros finais, uma cultura do uso do fogo na extinção com o fim de executar queimas ancoradas em caminhos, cujos perímetros são os mesmos de anos anteriores, de outros GIF’s cujas manobras são repetitivas e assumindo o risco de ampliação dos respetivos perímetros. Esta situação resulta de dois aspetos: a) os recursos são insuficientes para garantir a melhor resposta para a extinção, logo o dispositivo encontra-se debaixo da capacidade de extinção; 2) e existe um uso popular do fogo, dificilmente controlável, como recurso de autoproteção de bens que conduz à ampliação dos perímetros e à simultaneidade.
Imagem 1 - GIF de Cabração (1048 ha) - Município de Ponte de Lima. Fogo de superfície com Intensidade baixa a moderada e baixa severidade. Foto: Emanuel Oliveira, 2015
Os últimos 15 anos apresentam um significativo aumento da frequência dos grandes incêndios florestais, os quais tendem a ampliar as suas áreas ardidas, resultado da superação da capacidade de extinção. Ao contrário do que ocorre em alguns pontos do território ibérico que após a passagem de um GIF os ecossistemas ou têm dificuldade e tardam a recuperar-se ou ficam incapacitados, no território do Alto Minho a recuperação é elevada devido à adaptação das espécies ao fogo (Tojo, Urzes, entre outras) e também as invasoras exóticas pirofitas (Acacea sp. e Hakea sericea) que aproveitam as características climáticas típicas, marcadas por altas precipitações, elevada insolação, sem temperaturas extremas para facilmente regenerarem-se aproveitando a incorporação de fosfatos no solo imediatamente pós-incêndio e cobrindo rapidamente o solo, o que ajuda a combater a erosão e perda de solo em terrenos do tipo esquelético e com declives muito acentuados e íngremes.

Imagem 2 - Os GIFs em 2015 percorreram quase de forma cirurgica antigos perímetros de GIF's ocorridos em 2005 e 2010, onde encontraram um mesmo modelo de combustível, uma paisagem homogénea.

A melhoria dos conhecimentos técnicos, dos meios e da organização operacional no combate aos incêndios florestais não produziu efeitos para evitar a propagação e a frequência dos grandes incêndios florestais. Sendo assim é importante que a sociedade se encontre informada sobre o risco, ainda que não signifique que saiba defender-se frente à ocorrência de um incêndio e, muito menos, frente a um GIF.

O problema dos GIF’s é que o paradigma dos incêndios florestais mudou ao mesmo ritmo que as mudanças na dinâmica espacial e com os episódios repentinos resultantes da acelerada mudança climática. Fazer frente aos GIF’s obrigará a uma mudança do paradigma da prevenção e do combate.

Mais Informação:

Oliveira, Emanuel; 2015. "La Prevención a la Escala del Paisaje para hacer frente a los Grandes Incendios Forestales. Análisis en el Alto Minho. Portugal"; Universidad Politécnica de Madrid 

COMMENTS

Blogger TemplatesMy Blogger TricksAll Blogger Tricks
Nome

Alterações Climáticas,4,Alto Minho,9,Crónicas,3,Destaques,5,Fogo Prescrito,7,Formação,2,Gestão Florestal,2,Incêndios Florestais,40,Meteorologia,11,Opinião,3,Prevenção,10,Técnica,9,Tecnologia,8,Uso do Fogo,3,
ltr
item
Fogos Florestais: Os Grandes Incêndios Florestais e a sua recorrência no Alto Minho
Os Grandes Incêndios Florestais e a sua recorrência no Alto Minho
https://2.bp.blogspot.com/-ldo7MK1--ys/VqftJ6831SI/AAAAAAAABHo/2VpfXukLWSE/s400/GIFs%2B1975-2013.jpg
https://2.bp.blogspot.com/-ldo7MK1--ys/VqftJ6831SI/AAAAAAAABHo/2VpfXukLWSE/s72-c/GIFs%2B1975-2013.jpg
Fogos Florestais
http://www.fogosflorestais.pt/2016/01/os-grandes-incendios-florestais-e-sua.html
http://www.fogosflorestais.pt/
http://www.fogosflorestais.pt/
http://www.fogosflorestais.pt/2016/01/os-grandes-incendios-florestais-e-sua.html
true
6556109416670895325
UTF-8
Loaded All Posts Not found any posts VIEW ALL Readmore Reply Cancel reply Delete By Home PAGES POSTS View All RECOMMENDED FOR YOU LABEL ARCHIVE SEARCH ALL POSTS Not found any post match with your request Back Home Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Follow THIS PREMIUM CONTENT IS LOCKED STEP 1: Share to a social network STEP 2: Click the link on your social network Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy Table of Content