A receita para reduzir os incêndios florestais

Por: Emanuel Oliveira Publicado no Jornal VALE MAIS N.º 32 # AGOSTO 2014 O mediático especialista em assuntos económicos e políticos,...

Por: Emanuel Oliveira
Publicado no Jornal VALE MAIS
N.º 32 # AGOSTO 2014

O mediático especialista em assuntos económicos e políticos, Francisco Sarsfield Cabral, num artigo na Rádio Renascença (30-08-2013), intitulado “Os Sábios e os Incêndios” declarava o seguinte: «Como desde há décadas tem acontecido, uma grande vaga de incêndios florestais suscita dezenas de opiniões sobre como resolver o assunto. Só que o excesso de fogos não se resolve repetindo receitas inexequíveis.»
Acção de Fogo Controlado
À primeira vista e de forma grosseira poderíamos em uníssono dizer que estamos completamente de acordo com tal afirmação. Contudo, se nos depararmos para meditar tranquilamente sobre o tema e procurando fazer uma retrospetiva dos incêndios florestais e dos momentos mais críticos que o país atravessou (2003-2005 e 2010, ou o ano 2013 em que 9 combatentes perderam vida), podemos simplesmente afirmar que o país remedeia-se sem seguir as receitas prescritas que ano após ano, técnicos de diversos organismos e estruturas têm alertado para a necessidade no cumprimento rigoroso das medidas a tomar, no entanto tais alertas parecem perder-se no esquecimento dos responsáveis, logo após a chamada (vergonhosa) de “época de incêndios”.

A receita há muito tempo que está prescrita e bem definida. Em 2006 foi apresentado o Plano Nacional de Defesa da Floresta Contra Incêndios (PNDFCI) e a Estratégia Nacional para as Florestas, pela Autoridade Florestal Nacional (hoje Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas), cujos documentos e instrumentos de planeamento definiram as situações críticas da floresta nacional e identificaram as medidas a desenvolver, as metas concretas e as diretrizes para a redução dos incêndios florestais, contudo a maior parte continua em incumprimento por falta de operacionalização e de recursos financeiros, sendo estes reforçados anualmente no mediático dispositivo de combate em detrimento da Prevenção e da Gestão Florestal. Nestes documentos ficou definida para um período 5 anos (a partir de 2006) com toda a clareza, a necessidade do aumento do número de equipas de sapadores florestais e de equipas do Grupo de Análise e Uso do Fogo, a aposta no Fogo Controlado para a gestão dos combustíveis, a execução da Rede Primária, as faixas ao redor dos aglomerados populacionais, a fiscalização, entre outras muitas medidas. No entanto, as poucas ações realizadas foram residuais e pontuais, outras porém acabaram por ser anuladas apesar dos resultados positivos e outras não saíram do papel. Como diz o povo “não se fazem omeletes sem ovos”, principalmente quando não há vontade para se fazer.

O conceituado especialista americano (EUA), Mark Beighley, aquando da sua visita de trabalho para o PNDFCI, declarou em 2004 que «A verdadeira questão é a seguinte: qual o valor que Portugal atribui aos seus espaços rurais e florestais? Será suficiente para forçar as verdadeiras mudanças que poderiam estancar a continuada erosão da produtividade resultante dos danos crescentes provocados pelos incêndios?».

As mudanças necessárias para a proteção dos interesses económicos (agricultura, floresta, indústria, turismo), sociais que dependem direta ou indiretamente da conservação da floresta, implicam sobretudo uma alteração nas sucessivas políticas erradas e na consequente aplicação de recursos financeiros em ações concretas no âmbito da prevenção e da valorização económica da floresta portuguesa.

Ou seja, que fique claro, a receita para a redução dos incêndios florestais e da área ardida existe, é exequível e recomenda-se (mais uma vez), contudo Portugal tem preferido as vias alternativas sem qualquer prescrição e os cuidados paliativos, indiscutivelmente sem resultados. Insistir no erro ano após ano, não demonstra vontade de mudança!

COMMENTS

Blogger TemplatesMy Blogger TricksAll Blogger Tricks
Nome

Alterações Climáticas,4,Alto Minho,9,Crónicas,3,Destaques,5,Fogo Prescrito,7,Formação,2,Gestão Florestal,2,Incêndios Florestais,40,Meteorologia,11,Opinião,3,Prevenção,10,Técnica,9,Tecnologia,8,Uso do Fogo,3,
ltr
item
Fogos Florestais: A receita para reduzir os incêndios florestais
A receita para reduzir os incêndios florestais
http://2.bp.blogspot.com/-P4U_IroQ00M/U-KP1SSThNI/AAAAAAAAA7s/DtY4uW86dR8/s1600/A%C3%87%C3%83O+DE+FOGO+CONTROLADO+-+SAPADORES+FLORESTAIS.JPG
http://2.bp.blogspot.com/-P4U_IroQ00M/U-KP1SSThNI/AAAAAAAAA7s/DtY4uW86dR8/s72-c/A%C3%87%C3%83O+DE+FOGO+CONTROLADO+-+SAPADORES+FLORESTAIS.JPG
Fogos Florestais
http://www.fogosflorestais.pt/2014/08/a-receita-para-reduzir-os-incendios.html
http://www.fogosflorestais.pt/
http://www.fogosflorestais.pt/
http://www.fogosflorestais.pt/2014/08/a-receita-para-reduzir-os-incendios.html
true
6556109416670895325
UTF-8
Loaded All Posts Not found any posts VIEW ALL Readmore Reply Cancel reply Delete By Home PAGES POSTS View All RECOMMENDED FOR YOU LABEL ARCHIVE SEARCH ALL POSTS Not found any post match with your request Back Home Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Follow THIS PREMIUM CONTENT IS LOCKED STEP 1: Share to a social network STEP 2: Click the link on your social network Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy Table of Content