terça-feira, 26 de janeiro de 2016

2015 foi o ano mais quente ao nível mundial - e 2016 poderá ser ainda mais quente

Traduzido por: Emanuel Oliveira

Emily J. Gertz é uma editora associada para o ambiente e a vida selvagem no TakePart
Fonte: TakePart ; 20 de janeiro de 2016


Os cientistas dizem que os recordes de altas temperaturas são um sinal claro de que a mudança climática está a acelerar-se.

Este artigo chama a atenção para o aumento da temperatura média para valores recorde em 2015 e o risco de continuar a aumentar neste ano de 2016. Caso se verifique, quer os efeitos do fenómeno El Niño associado a este aquecimento global, bem como a redução da pluviometria anual, poderemos enfrentar uma época de incêndios muito difícil, quer pelo prologamento do período quer pela complexidade derivada do estado fenológico dos combustíveis florestais. A questão que nos colocamos é: Estamos Preparados!?

Temperaturas excepcionalmente quentes, causadas pelas alterações climáticas, ajudaram a impulsionar uma quase recorde temporada de incêndio no Alasca em 2015. (Foto: Mat-Su Borough / Stefan Hinman / Reuters)
Cientistas de duas agências do governo (EUA) confirmaram nesta quarta-feira que as temperaturas médias globais em 2015 foram as mais elevadas em 136 anos de registos e, é provável que o planeta venha a registar mais do mesmo em 2016.

A razão, destacou o climatologista da NASA Gavin Schmidt, é que o excesso de dióxido de carbono, criado pela desflorestação e a queima de combustíveis fósseis para a energia, retém o calor na atmosfera. «Esta tendência ao longo do tempo é a razão pela qual tivemos um ano quente recorde», Schmidt, diretor do Instituto Goddard para Estudos Espaciais da NASA, disse aos jornalistas na quarta-feira: «Não há nenhuma indicação de que essa tendência diminuiu, fez uma pausa, ou "hiatos" nas últimas décadas

A maior parte do aquecimento resultante tem acontecido ao longo dos últimos 35 anos, e 15 dos 16 anos mais quentes registados ocorreram desde 2001, de acordo com a NASA.

No conjunto, a média das temperaturas do oceano e da superfície terrestre do planeta em 2015 foi de 1,62 grau Fahrenheit, acima da média do século XX e um quarto de grau Fahrenheit mais quentes do que em 2014, disse Thomas R. Karl, diretor do Centro de Informação Ambiental  da NOAA (National Oceanic and Atmospheric Administration).

Foi um elevado aumento ano-a-ano quebrando recordes nas temperaturas globais, disse ele.

Tanto Schmidt como Karl destacaram que o aumento das emissões de gases de efeito estufa é responsável pelas temperaturas recordes, independente dos ciclos meteorológicos, tais como a tendência de aquecimento atual no Pacífico Central.

«O interessante é que 2015 não começou com o evento El Niño no Pacífico Tropical», disse Schmidt, mas ainda mostrou temperaturas anormalmente elevadas desde o início. «Mesmo sem El Niño, este teria sido o ano mais quente já registado.»

RELACIONADOS: Mudança climática: O Futuro Advertimos Aqui

Uma vez que o ciclo de El Niño começou a afetar a temperatura depois de meados do ano "outubro, novembro e dezembro registaram anomalias quentes por cada mês registado", acrescentou.
Schmidt ressaltou que, embora a mudança climática não pode ser relacionada com todos os eventos meteorológicos extremos, está firmemente ligada às ondas de calor severas, perda de gelo do mar Ártico, aumento dos níveis do mar e do degelo de glaciares ao redor do mundo. «Vamos esperar que isso continue em 2016», disse ele, «como o aquecimento global continuará

Agora que um El Niño particularmente forte – combinado com o aquecimento – tende a estar a caminho, Karl e Schmidt disseram que, os cientistas acreditam que poderia combinar-se com as temperaturas elevadas da superfície do mar de 2015 para tornar 2016 um ano quente recorde.

Se isso acontecer, será a primeira vez em 136 anos – ano em que se quebrarão três recordes de anos quentes ocorridos consecutivamente.

O ano passado marcou a primeira vez na história que as temperaturas médias da superfície terrestre e do mar subiram 1,8 graus centígrados, ou um grau Celsius completo, mais além daqueles do século 19, de acordo com a análise da NASA e da NOAA.

Os líderes mundiais concordaram em dezembro, na cimeira de Paris, para a manutenção do aumento da temperatura em 2 graus Celsius.

«O que vamos ver é cada vez mais e mais nítidos impactos de como o clima aquece», disse Schmidt.

«Estamos numa trajetória que devido a que o ciclo do carbono está longe do equilíbrio neste momento, não pode ser revertido facilmente

Enquanto algumas investigações sobre o clima indicam que um corte de 80 por cento nas emissões de carbono até 2050 poderiam estabilizar o clima, não há nenhuma evidência até agora de que o mundo, como um todo, possa encontrar a vontade para que isso aconteça, referiu Schmidt. Cabe aos «decisores políticos e da sociedade», acrescentou, «para decidir o que fazer com essa informação.»

0 comentários:

Enviar um comentário